quinta-feira, 10 de setembro de 2009

PORTUGUESIA II

Depois do lançamento em Portugal, mais concretamente em Vila Nova de Famalicão, em 10 de Julho, na Casa de Camilo Castelo Branco, em S. Miguel de Seide, chegou a vez de ser lançada no Brasil, mais concretamente no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, Minas Gerais, amanhã, 11 de Setembro, a contraantologia “PORTUGUESIA – Minas entre os povos da mesma língua / antropologia de uma poética”, organizada pelo poeta brasileiro Wilmar Silva.
Esta enorme, extraordinária e ambiciosa obra, que congrega 485 poemas de 101 poetas de Portugal, Brasil (Minas Gerais), Cabo Verde e Guiné-Bissau e na qual tive o grande prazer de participar e ser incluído e onde encontramos uma inovadora forma de fazer valer os textos/poemas por si mesmo, continua, embora lentamente, a conquistar o caminho e o espaço que um projecto destes merece (não sei é se a lusofonia "merece" esta portuguesia) em absoluto.
Um dos meus poemas seleccionados pelo Wilmar Silva, foi "Os Cílios Maternos":
.
Há um animal adormecido nos pulmões
que desabrocham as sementes da fêmea.
Moviomenta-se de rastos sobre o enxofre
reduzindo a efémeros passos em declive.
Da agonia à purificação da língua
as palavras límpidas pela boca adentro.
Por entre os alvéolos os dentes ardendo
no seu silêncio indecifrável no arco cru
o corpo rasga em círculo o ventre embrionário.
................................In, Os Cílios Maternos, 2005
.
.........................................Tudo vira bosta - Rita Lee

http://nocentrodoarco.blogspot.com/search/label/Poesia%20da%20l%C3%ADngua%20portuguesa
http://www.pnetliteratura.pt/cronica.asp?id=1081

2 comentários:

gabriela rocha martins disse...

parabéns ,Amigão



.
um beijo

Anónimo disse...

é verdade, tudo vira bosta, a política é Portugal é um bom exemplo.
O que nos vale é a poesia, bom, alguma poesia!
F.