quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

FELIZ 2010

XV

.tudo se transmutou no equilíbrio do caos. o mundo acordou sob a vigilância dos modernos alfabetos envoltos num alvéolo de fosforescente metal. e uma recente e definitiva espécie de criaturas que se distanciam dos sonhos da sílaba mística irrompe das galáxias prenhes da lógica dos algarismos. e são empoadas de extraordinárias preeminências biológicas relativamente aos primitivos organismos com coração e lágrimas. agora o pó envolve em espirais de névoa a aniquilada estátua de adriano. a partir dos seus olhos os besouros-do-fumo procuram a visibilidade da cidade. o escaravelho sagrado. aí se bifurca o novo dialecto dos heróis. a profecia dos poetas eclodiu como castigo etéreo.

JOÃO RASTEIRO - In, DIACRÍTICO (Inédito - a publicar em 2010)

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

NATAL

Ser divino, criança cativa
.
Tu és ser divino em eterna meia-noite
esse chegar de repente que não esbate ao espanto.
.
Tu és ser divino em eterna meia-noite
um não-concebido astro em ventre de bem-querer,
indefinido corpo único de tão temeroso verbo
o que sempre foi esplendor e terá que ser!
.
Tu és ser divino em eterna meia-noite
sílaba acesa em que já não desabrocham deuses,
irreconhecível voz de tão recente fábula
a noite que se fracciona em estrelas prenhes de luz!
.
Tu és ser divino em eterna meia-noite
carne arrebatada na espinhosa inundação da língua,
inexplicável geografia de tão subtil cântico
esse jogo dos homens em que te devem louvar!
.
Deus te proteja, criança cativa da meia-noite
que tudo é noite na imensidão do mundo – e nada mais!
.............................................................João Rasteiro

domingo, 20 de dezembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - X

Pela 10º e última vez, a publicação dos poetas, pela ordem de inclusão na revista, que incluí na antologia de poesia portuguesa que recentemente organizei para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje, a poeta referenciada, como habitualmente, com dois dos poemas escolhidos para a antologia, juntamente com a respectiva análise critica à sua poesia e que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é a poeta Catarina Nunes de Almeida:
"(...)a poesia de Catarina Nunes de Almeida, que de alguma forma se situará próxima de uma poesia de forte carga imagética, reflecte o fascínio pela poesia oriental. Nota-se nela um esforço de transparência e simplicidade que a aproxima do género de haikai, numa relação mulher-natureza, sempre mais evocada do que contemplada. Sente-se o objectivo de transmitir “sentimentos”, de alguma forma contraditórios, entre o real e o metafísico, através de um jogo de palavras “especiais”, um jogo assente em termos que são essencialmente da botânica". - João Rasteiro
.
Solo

Um dia os nossos gestos serão verdes.
Dormiremos aos pés da terra
nas nossas bocas só os pés da terra
e a folhagem em vez dos meus braços.
Basta um grão de pó na unha
a noite dedilhada no centro do poro
para que eu estenda os seios no deserto
depois da vindima. Entre a pele e as espigas
já não restam reticências – apenas uma escama
com que agasalho o mundo.
.
Fusão

I
Quando as amoras estão maduras
a menstruação corre no vale
vinda do teu lado. A noite é uma ponte
deitada sobre as margens da cintura:
lugares de xisto onde repousam
sombras de animais.

II

Por vezes os seios crescem-me no teu peito.
Os dias vêm quando vêm os teus lábios
maçã que mordo entre as pernas.
Todo o nosso corpo é flor mútua
escultura que brotou do mesmo chão
imperfeita.
...............................................C.N.A.
....AMÁLIA (10 anos de saudade) - "Não sei porque te foste embora"

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Espaço Sagrado




................pós-soneto
.............................Augusto de Campos
.
....................................................Seu Jorge - "Tive Razao"

http://www2.uol.com.br/augustodecampos/poemas.htm

domingo, 13 de dezembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - IX

Pela nona vez, a publicação dos poetas, pela ordem de inclusão na revista, que incluí na antologia de poesia portuguesa que recentemente organizei para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje, a poeta referenciada, como habitualmente, com dois dos poemas escolhidos para a antologia, juntamente com a respectiva análise critica à sua poesia e que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é a poeta Filipa Leal:
" (...)é uma poesia luminosa e em certa medida inumana. Como referiu Eduardo Prado Coelho, ela demarca-se de grande parte da poesia portuguesa que actualmente se vai escrevendo, uma vez que não cultiva “as memórias esparsas, o lirismo difuso, uma certa vulnerabilidade”. Depois das primeiras poesias, de cariz mais confessional, Filipa Leal apresenta agora uma poética mais madura, numa carga simbólica grandiosa na sua relação com a cidade, a natureza, o mundo, que se tornam o quotidiano e a própria pessoa. Ela se estrutura e alimenta com sugestões insistentes de oralidade e um jogo muito sóbrio no uso da metáfora, apresentando-nos uma distorção permanente do uso habitual das frases. E é precisamente essa concisão irradiante das frases que nos deslumbra e arrasta para o poema". - João Rasteiro
.
A CIDADE ESQUECIDA

Para o António.
Ela disse: Sou uma cidade esquecida.
Ele disse: Sou um rio.
Ficaram em silêncio à janela
cada um à sua janela
olhando a sua cidade, o seu rio.
Ela disse: Não sou exactamente uma cidade.
Uma cidade é diferente de uma cidade
esquecida.
Ele disse: Sou um rio exacto.
Agora na varanda
cada um na sua varanda
pedindo: Um pouco de ar entre nós.
Ela disse: Escrevo palavras nos muros que pensam em ti.
Ele disse: Eu corro.
De telefone preso entre o rosto e o ombro
para que ao menos se libertassem as mãos
cada um com as suas mãos libertas.
Ela temeu o adeus, disse: Sou uma cidade esquecida.
Ele
riu.
.
LINHA FONÉTICA

Era uma linha fonética no vidro.
Linha como árvore obsessiva deste livro,
como linha verdadeira, como página
que se organiza por causa dela.
Linha que não era de comboio, linha sem agulhas
penduradas, sem linha da mão, sem linha
de gente do outro lado da linha, de gente
que quer manter a linha. Linha fria de transparência,
fria de vidro, de janela deitada, de tentativa de poema.
Linha sem o branco da noite nos outros, sem o pó
da noite nos outros. Assim era a minha linha:
linha realmente fonética, absolutamente inalterável.
.............................................................F.L.
..........AMÁLIA (10 anos de saudade) - "Tudo isto é fado"

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

O QUE É A POESIA?

No sábado passado, 05/12/2009, na Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, em São Paulo ( que abriga também a primeira biblioteca do país especializada em poesia), foi lançada a obra "O que é poesia?", organizada pelo poeta Edson Cruz e da responsabilidade das editoras, Confraria do Vento e Calibán. A obra integra 45 relevantes poetas brasileiros, portugueses (eu, simplesmente me sinto honrado em integrar este magnífico conjunto de poetas) e hispano-americanos em atuação respondendo a essa pergunta simples, mas nem de longe simplória. Surgido como uma provocação em seu blog (SAMBAQUIS), onde Edson Cruz propunha ainda duas outras perguntas (sobre o que um iniciante deveria perseguir e quais textos e autores lhe eram referenciais), o questionário resultou na seleção deste livro que, além de um calidoscópio reflexivo do fazer poético, revela-se um documento vivo do panorama literário contemporâneo, propiciando, inclusive, alguns raríssimos encontros para uma mesma edição.
.
Eis os autores nesta edição: Ademir Assunção, Affonso Romano de Sant'Anna, Amador Ribeiro Neto, Ana Elisa Ribeiro, André Vallias, Aníbal Beça, Antonio Cicero, Augusto de Campos, Bárbara Lia, Carlito Azevedo, Carlos Felipe Moisés, Claudio Daniel, Claudio Willer, Eunice Arruda, Fabiano Calixto, Felipe Fortuna, Flávia Rocha, Floriano Martins, Frederico Barbosa, Glauco Mattoso, Horácio Costa, Jair Cortés, João Miguel Henriques, João Rasteiro, Jorge Rivelli, Jorge Tufic, José Kozer, Luis Serguilha, Luiz Roberto Guedes, Marcelo Ariel, Márcio-André, Marcos Siscar, Micheliny Verunschk, Nicolas Behr, Nicolau Saião, Ricardo Aleixo,Ricardo Corona, Ricardo Silvestrin, Rodolfo Häsler, Rodrigo Petrônio, Sebastião Nunes, Tavinho Paes, Victor Paes, Virna Teixeira, Washington Benavides.
No final do post, alguns links que remetem para este evento e respectivo lançamento.

http://sambaquis.blogspot.com/search/label/O%20que%20%C3%A9%20poesia

http://intradoxos.blogspot.com/2009/12/rave-cultural-lancamento-do-livro-o-que.html#links

http://www.poiesis.org.br/casadasrosas/

http://www.confrariadovento.com/editora/livro21.htm

http://www.editoracaliban.com.br/v2/

sábado, 5 de dezembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - VIII

Pela oitava vez, a publicação dos poetas, pela ordem de inclusão na revista, que incluí na antologia de poesia portuguesa que organizei recentemente para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje, o poeta referenciado, como habitualmente, com dois dos poemas escolhidos para a antologia, juntamente com a respectiva análise critica à sua poesia e que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é o poeta José Rui Teixeira:

(...)cultiva cada vez mais uma poesia imagética e discursiva, alicerçada na relação do sujeito com o sobrenatural. Como já referiu o próprio poeta, a sua poesia é um lugar habitado por aparições oníricas e fantasmáticas, como memórias difusas, como narrativas subterrâneas ou luminosas, em que Deus paira como na superfície das águas (…), uma poesia neo-simbolista, mitológica e idiossincrática. Uma poesia onde o jogo imagético emerge sempre num presente absoluto que questiona a existência e a transitoriedade da vida. Como refere Pedro Sena-Lino, uma poética com um olhar consciente da transitoriedade do corpo (…), da mecânica do ser e da sua lógica profunda". - João Rasteiro

Os que vão morrer misturam barro
com limalhas e adoecem. O sémen
escorre do interior das mulheres
como se não houvesse promessa
ou manhã nos corpos caídos.
Os que vão morrer adormecem
como se a terra lhes pesasse
desmesuradamente sobre a carne,
como se insectos lhes devorassem
as entranhas. E morrem por amor, creio.

.

Os velhos esperam os filhos dos filhos ao meio dia
como se esmagassem a força dos dedos contra
as carótidas e não houvesse tempo de vê-los crescer.
Atravesso a rua ao meio dia. Oráculo do Senhor.
E estremeço com o olhar lânguido da adolescente
que madura o útero na opacidade comovida
da sua juventude. Repito: o coração é um órgão
incendiado. Mas tu disseste-me: não despertes
o que dorme, não agites as águas paradas;
encontrarás Deus nas margens do grande rio
.

............................................................J.R.T.

.........AMÁLIA (10 anos de saudade) - Solidão/"Canção do Mar"

http://equinociodeoutono.blogspot.com/

http://bibliotecariodebabel.com/tag/jose-rui-teixeira/

http://www.quasi.com.pt/index.php?manufacturers_id=4307

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

MENSAGEM

O INFANTE
.
Deus quere, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quiz que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,
E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.
Quem te sagrou creou-te portuguez.
Do mar e nós em ti nos deu signal.
Cumpriu-se o Mar, e o Imperio se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!
.................................Fernando Pessoa
In, "Mensagem", 10/12/1934, Editora Parceria A. M. Pereira
.


http://faroldasletras.no.sapo.pt/poesia_mensagem.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Pessoa

http://users.isr.ist.utl.pt/~cfb/VdS/pessoa.html

domingo, 29 de novembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - VII

Continuando a persistir na publicação dos poetas (7º), pela ordem de inserção na revista, que incluí na antologia de poesia portuguesa que organizei recentemente para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje, o poeta referenciado, como habitualmente, com dois dos poemas escolhidos para a antologia, juntamente com a respectiva análise critica à sua poesia e que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é o poeta José Luís Peixoto:
(...)cuja poética não é muito fácil de situar, embora com algumas aproximações a uma poesia do quotidiano, vamos encontrar uma poesia que possui uma espécie de força que é uma espécie de fraqueza, e uma espécie de fraqueza que é uma espécie de força, não sendo uma poesia que cultive uma forte imagética, mas sim, uma poética que se alimenta de narrativas do dia-a-dia (por vezes é possível encontrar alguma redundância) e da memória. Uma poesia melancólica, quase totalmente despida de esperança, onde os versos roçam a realidade da morte, do amor, da vida, da não vida, do estar estando e do estar sem permanecer. Apontando para um neo-realismo tardio, é uma poesia que procura afincadamente a descrição da realidade de quem se quer livrar dos destinos traçados. Poesia que roça por vezes a prosa, num diálogo permanente com o seu mundo". - João Rasteiro
.
EXPLICAÇÃO DA ETERNIDADE

devagar, o tempo transforma tudo em tempo.
o ódio transforma-se em tempo, o amor
transforma-se em tempo, a dor transforma-se
em tempo.

os assuntos que julgámos mais profundos,
mais impossíveis, mais permanentes e imutáveis,
transformam-se devagar em tempo.

por si só, o tempo não é nada.
a idade de nada é nada.
a eternidade não existe.
no entanto, a eternidade existe.

os instantes dos teus olhos parados sobre mim eram eternos.
os instantes do teu sorriso eram eternos.
os instantes do teu corpo de luz eram eternos.
foste eterna até ao fim.

LIMPAR O PÓ

Como se ontem e os dias antes de ontem
se tivessem desfeito sobre as prateleiras,

como se pudéssemos escrever palavras
nas suas cinzas com a ponta do dedo,

como se bastasse soprar para vermos
as suas imagens, de novo, numa nuvem.
........................................................J.L.P.
.............AMÁLIA (10 anos de saudade) - Fado Português

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Novos Espaços

................BRUNO PRADO
.
QUANDO não há:
cala!
nem palavra, nem grafia
a mais pura
víscera de poesia —
sangue pelo tato;
embalo —
a vida estrita
é escrita pelo faro
.

A PEDRA BRUTA — atirei-a contra ti
uma floripedra;
cego, as mãos de flamas;
furibundo
a língua árida, irosa
sem aromas,
só espinhos —
a fuga,
périplo de flores
o amor,
na beleza e brutalidade
.

COLAPSO —
uma cidade perdida;
a minha fala
a miséria do dito
pelo fato —
resta a fúria;
o definitivo embate —
quite com o tempo,
entre rito e nada
reergo a fio,
o instinto, a navalha
precipita-se o sangue;
o plural da face —
de fato
o que nos difere,
seres, de mortos
é a carne
.................In, FRATURAS


http://www.triplov.com/poesia/Bruno-Lopes/Liquen/index.htm

http://www.germinaliteratura.com.br/2009/bruno_prado.htm

domingo, 22 de novembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - VI

Avançando com a publicação dos poetas (6º), pela ordem de inserção na revista, que incluí na antologia de poesia portuguesa que organizei recentemente para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje o poeta referenciado, como habitualmente, com dois dos poemas escolhidos para a antologia, conjuntamente com a respectiva análise critica à sua poesia e que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é o poeta valter hugo mãe:
(...)"uma poética que de alguma forma se evidencia pela originalidade, em relação a outras poéticas da década de 90. É uma poesia onde sobressai o cuidado colocado em cada palavra, que permite um pleno domínio do poema que se adensa em múltiplos sentidos. Nesta poesia redescobre-se o gosto pelo belo enquanto grotesco. Por vezes, um metaforismo “grotesco” serve de suporte a uma poesia arabesca. Uma poesia de verso contido e lapidar, quase sempre à direita da página e que é um fruto maduro e arrebatador. Como refere Eduardo Pitta, a dimensão conotativa afasta valter hugo mãe de outros novíssimos: nem melancolia programática, nem misticismo (malgré Deus), nem excesso de complacência". - João Rasteiro
.
dois.
.
se te cansares de mim, não me peças que
chore. deixa-me secar lentamente como
pelo tempo, mais me custará, porque mais
lento verterei a alma para a morte. no entanto,
dá-me esperança de que não partirás,
aguardo-te muito quieto, muito quieto
para não atrapalhar os teus planos como quem
não quer assustar a caça. mas sou a presa,
eu sei que sou a presa. e tu podes vir reclamar-me
o couro com toda a violência, já não me importo
.
cinco.
.
deixei sobre a mesa o dinheiro
que necessitas para o dia. espero que te
sirva para o almoço e para qualquer
coisa ao lanche. desculpa. amanhã, como
é domingo, venderei os pães na igreja,
quem sabe me dará deus valor suficiente
para manter o amor. se amanhã houver
mais dinheiro, mais um pouco que seja,
compro o teu prato, os teus talheres,
um copo onde te sirva a água simples.
volta cedo, peço-te, volta cedo, como
não sei nada sobre decisões divinas
quero só não perder-te em tempo
além do impossível. vem comigo ver
o que é feito dos gatos que deitamos ao
campo. achas que estarão gordos ou
terão morrido. eu acho que estão gordos,
se deus quiser
.....................................v. h. m.
....................AMÁLIA (10 anos de saudade) - Gaivota

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Lugares estranhos

...............................Michael Cheval

COLMEIA
..................Ao Gastão Cruz

Na juba da boca quando as palavras
não forem senão a saliva das larvas
há um excesso de língua atravessada
na sombra adolescente de Yanis Ritsos,

no espaço onde a reminiscência é avidez
no sulco mais longínquo da lascívia
alma minha gentil dos espectros viçosos
és a fonte derradeira dos anjos e suplicas:

arrebatam-me de júbilo a íris das abelhas
irrompam-me o coração por bilhas vivas
brotem-me as profundas raízes siderais.

Há um desejo infundido de livros prenhes
jorrando o hipnótico sopro das geografias
sob um céu diluído pela abertura de um deus

e as vozes murcharão de paixão pelos ferrões
espinhadas pela garganta das crianças nuas.

As construtoras ainda ejacularão o puro mel
fendendo altivas sobre a pele o incesto dos lírios.
................................................João Rasteiro

domingo, 15 de novembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - V

Continuando a publicação dos poetas, pela ordem de inserção na revista, que inclui na antologia de poesia portuguesa que organizei recentemente para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje o poeta referenciado, como habitualmente, com dois dos poemas seleccionados para a antologia, conjuntamente com a respectiva análise critica à sua poesia e que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é o poeta Daniel Faria:
"(...)é, sem dúvida, para a generalidade da crítica, a voz mais importante da “nova poesia portuguesa” surgida na década de 90 e que se afasta de alguma forma dos cânones até aí vigentes, apesar das influências de uma Luiza Neto Jorge e especialmente de Herberto Helder, e que flui torrencialmente, não só, como uma experiência mística, mas como uma mecânica de escrita depurada e em que a metáfora é o corpo de deus ou da natureza, numa consistente prática de questionamento da linguagem. Poesia intimamente interligada com o texto bíblico, concebe e pratica o lirismo da palavra como exegese da elevação do ser humano acima de si. Como refere Luís Adriano Carlos, Daniel Faria, como qualquer grande poeta da modernidade romântica em que vivemos, procura pela exaltação estética uma via de acesso à exaltação do sagrado e ao reino do espírito. É uma poesia de grande beleza e maturidade que representa uma geração". - João Rasteiro
.
As mulheres aspiram a casa para dentro dos pulmões

As mulheres aspiram a casa para dentro dos pulmões
E muitas transformam-se em árvores cheias de ninhos - digo,
As mulheres - ainda que as casas apresentem os telhados inclinados
Ao peso dos pássaros que se abrigam.

É à janela dos filhos que as mulheres respiram
Sentadas nos degraus olhando para eles e muitas
Transformam-se em escadas

Muitas mulheres transformam-se em paisagens
Em árvores cheias de crianças trepando que se penduram
Nos ramos - no pescoço das mães - ainda que as árvores irradiem
Cheias de rebentos

As mulheres aspiram para dentro
E geram continuamente. Transformam-se em pomares.
Elas arrumam a casa
Elas põem a mesa
Ao redor do coração.

.
As manhãs

Das manhãs

Apenas levarei a tua voz

Despovoada

Sem promessas
sem barcos
E sem casas

Não levarei o orvalho das ameias
Não levarei o pulso das ramadas

Da tua voz

Levarei os sítios das mimosas
Apenas os sítios das mimosas

As pedras
As nuvens
O teu canto

Levarei manhãs E madrugadas.

..................................D. F.
.................AMÁLIA (10 anos de saudade) - Estranha forma de vida

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Lugares estranhos

Biografia II

E tudo ocorre na melancolia
da sílaba, o casulo emergindo
nas talhas.
Inquieta sofre a gestação
no caule dos rebentos.
O gesto do corpo
no linho que se alinha à mutação.
Rota, sopro, sístole ou máscara
onde bardos fecundam a sazão
da ebriedade.
E entra nas vozes,
nos hortos, algures no inabitado
onde gravitam tâmaras.
Melífaga
ironia das fábulas, a palavra
mastiga a água adubada
ser bardo
é tocar o fogo
é estar no correr das águas
a tempestade.
Os naufrágios são sublimes
sentimo-nos tão acesos
entre as ilhas
das palavras obscuras, acreditas?
O espectro desatando-se
sílaba que afeiçoa às matizes do
espanto cheio de luz.
Então nu.
...............................João Rasteiro
..................................................Neil Young - Old Man

domingo, 8 de novembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - IV


Progredindo com a publicação dos poetas, pela ordem de inserção na revista, que inclui na antologia de poesia portuguesa que organizei recentemente para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje o poeta referenciado, como habitualmente, com dois poemas seleccionados para a antologia, conjuntamente com a respectiva análise critica à sua poesia, que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é o poeta Luís Quintais:

"(...) entre os poetas da “sua geração” Luís Quintais é, talvez, o que se mostra pela poética mais alusiva e referencial. É uma poética que se pode situar nos intervalos encantatórios do quotidiano e da imagética. Poesia culta, reflexiva e filosófica, denotando um percurso urbano e o olhar maduro de um etnógrafo à procura do significativo. É uma escrita que normalmente parte do real para a sua transfiguração. Existe em Luís Quintais a perfeita consciência de que a poesia está, obrigatoriamente, dentro da própria linguagem." - João Rasteiro
.
I

O estrépito que o passado faz.
As palavras gritadas.
A terrível máquina de dizer
e calar.
Tudo gira no nada
e no nada se compraz.
Uma fúria ergue-se
no plasma.
Uma cidade é destruída.
Escuta os muros
que se abatem.
Desenha árvores,
o rápido deslizar de nuvens,
o desenho que a mão faz
quando teme agarrar o sentido,
e o sentido é escuro, escuro.
.
III
O rio escurecia
e depois aclarava e depois escurecia.
As árvores gravitavam nas margens
da tua memória,
faziam correr estilos de morte e promessa.
As personagens do inscrevível
seriam afinal mais monstruosas
do que se suspeitara,
e os insectos emudeciam
enquanto o outono regurgitava as suas vítimas.

E tu, tu? E tu fazias abolir
o sentido para fazer eclodir de novo
o novo sentido. E tu procuravas entre despojos
um aro de bicicleta partido,
um casaco com bolsos que dessem para o improvável,
um qualquer outro achado preso à cega geometria
e à circunstância do procurar.
.......................................................L. Q.
......................AMÁLIA (10 anos de saudade) - COIMBRA
.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Refúgios

........................Adília Lopes: poesia reunida

Os cordéis

Passava os dias a dar nós em cordéis
para desfazer os nós a seguir
não tinha ninguém para a aplaudir
nem esperava Ulisses
mas continuava
aquilo não era um passatempo
os cordéis sem nós
serviam para desfazer os nós
enquanto os embrulhos trouxeram cordéis
as sobrinhas não estranharam
mas quando os cordéis se tornaram raros
lembraram-se de que ela na juventude
fora capaz de seguir cinco conversas diferentes
ao mesmo tempo
como Napoleão era capaz de ditar
dez cartas diferentes
ao mesmo tempo
só que a guerra e os bailes no consulado
tinham acabado
antes que ela se tornasse
uma grande espia
as sobrinhas convidavam forasteiros
e faziam cinco conversas diferentes
ao mesmo tempo
para a distraírem dos cordéis
mas os cordéis absorviam-na
nenhuma conversa lhe importava
as sobrinhas deitaram os cordéis fora
irritadas com aquela obstinação
ela passou a arrancar cabelos
e desfazer os nós dos cabelos
exige mais perícia do que desfazer
os nós dos cordéis
se fosse uma questão de vida ou de morte
seria como despoletar granadas
assim ela só podia perguntar
o que é mais fino do que um cabelo
para eu lhe poder dar nós?
Adília Lopes - In, Assírio & Alvim, 688pg., 2009

SITIADOS (1 ano de saudade do João Aguardela): A Noite

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ad%C3%ADlia_Lopes

http://quintasdeleitura.blogspot.com/2009/11/mais-poesia-de-adilia-lopes.html

http://ofuncionariocansado.blogspot.com/2009/01/adilia-lopes-entrevista-de-carlos-vaz.html

domingo, 1 de novembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - III

Prosseguindo com a publicação dos poetas, pela ordem de inclusão na revista, que inclui na antologia de poesia portuguesa que organizei para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje o poeta referenciado, com dois poemas seleccionados para a antologia, juntamente com a respectiva análise critica à sua poesia, que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é Rui Pires Cabral:
" (...)as coordenadas da sua poética estão metodicamente traçadas. A memória dos lugares, das vozes, das situações, por vezes um certo desassossego existencial, o exercício da poesia como um treino de morrer e de se estar morto, dando-se à poesia, tal como Sócrates se dedicava à filosofia. Não sendo uma poesia propriamente reflexiva, em Rui Pires Cabral, ela é mais uma poesia do presente inquirido pelo vivido, mas suportado por um pendor melancólico que se suspende antes do abismo e que vive de uma tensão entre a elipse do que se rasura pensadamente, as sensações e a mestria da mão contendo o acúmulo do lirismo." - João Rasteiro
.
MARLBOROUGH DRIVE

Se pudermos estar felizes não será mais bela
a voz do trompetista de Oklahoma? Oh, there’s
a lull in my life. Sim, o amor é triste e o mundo
é árduo e nunca nos serviu como convinha. Mas
nas cercanias da vila, no Volkswagen em segunda
mão, vê como resplandecem os vidros de Marlborough
Drive ao entardecer! Uma ambição sentimental

à nossa pequena escala, prados entre castanheiros,
duas onças de tabaco de enrolar. Que importa
que tudo rode para um fim e que a nossa verdadeira
condição seja morrer um pouco mais a cada instante?
A pele reconhece estas canções, sabe que é Junho,
conhece a estrada que devemos escolher. A pele
é sábia. Por uma vez, que valha a pena morrer.


SENHORES PASSAGEIROS

Alguns rapazes avançam mais depressa
para a morte, mas todos se debatem
com a vida que lhes resta. Às voltas
no cimento das cidades, entre
a estrangulada circulação dos veículos,
segredam ao ouvido de um deus
surdo: concede-me um novo amor
igual ao dos meus irmãos. Entretanto
são mais as raparigas que não lêem livros
no venenoso relento das estações
ferroviárias, chupam rebuçados
de menta com fel, suavemente inclinam
a cabeça para ouvir: senhores passageiros
vai dar início à sua marcha o comboio
com destino a Santa Apolónia da escuridão
.
.....................................................R.P.C.
................AMÁLIA (10 anos de saudade) - Barco Negro

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

"Achar sem nunca achar o que procuro"

Portugal

1.
Morreu meu país de sol.
A sua própria geometria. Oblíqua. Prostrada e nua.
Sobre a rotação dos sonhos que se resgatam.
Todas as noites sua ausência se repete
unívoca com sua minúcia celeste no corpo
amplo da neve que anseia a lágrima.
Eu questiono,
mais do que a ausência e mais do que desbaratar
o assombro do assombro
nas margens do vento, a luz tem agora a idade
do mundo bebendo o silêncio, a escuridão
dobrada para si em esplêndida violência.
O medo de ansiar reinventar as ínfimas raízes
do sol em seu regaço – assim, o que será
a morte da fantasia?

2.
Questiono-te, meu país: o que será a morte
da fantasia, a clara hegemonia dos corações tristes
sob os gritos das aves, encontraste o precipício
que procuraste em teu perplexo e altivo desvario?
Encontraste a desumana melancolia da concisão
das águas nas virilhas do remorso de Abril
ou repousas suspenso e gemes sobre o solstício
da boca atulhada em sangue primordial,
o verbo imperceptível ao poema,
o nevoeiro que arqueja ainda em Alcácer Quibir?
Onde se perdem as crias da gestação mais dura,
do total desamor dos seres que concebiam
as vozes puras das vísceras fecundas,
uma cobra de cabeça cristalina desposa os quadris
oprimidos e aspergidos de um país ausente,
que já não impulsiona o impetuoso encantamento
da utopia, os sonhos acesos dentro do tempo?

3.
Questiono-te, meu país: agora, se algumas
coisas são os mortos aprisionados nas estrofes
de Camões, cânticos como se só a poesia
fosse estrela de oiro intacta,
ou se só a utopia fosse um desmesurado verbo
numa espécie de batalha silenciosa
que compreende tudo o que os deuses
e as ninfas traiçoeiras no roteiro dos imensos mares
do sul, não podem realizar tudo o que elas
guardaram sob os seios onde os cravos dão flor,
como um oceano fechado secando
o esquecimento que nenhum oceano detém.
E o meu louco desejo é o trilho salgado
que ficou das gaivotas. O uivo de um navio
onde agora o olhar se perde e era o infinito.
Estas esquivas modelações do tempo: os sonhos
selvagens de um país onde começo.

4.
Morreu meu país de sol.
Eu partirei para qualquer pais de sol. Onde não é.
Onde não subsista a infinita solidão da sílaba muda,
o corpo exacto para lhe ser sangue e flor
e aves alucinadas por entre os mastros de bronze.
O sonho do verbo. Um outro sonho de terra,
ténue, o vulto encoberto de outro canto.
Um novo eclipse no âmago do mundo,
ao fundo do coração. Há-de emergir um país
na visão feroz do rosto dos deuses.
Iminente, em insondável ilusão. Onde não é.
..................................................João Rasteiro

domingo, 25 de outubro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - II

Continuando a publicar os poetas que inclui na antologia de poesia portuguesa que organizei para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje o poeta referenciado, com um longo poema seleccionado para a antologia, conjuntamente com uma pequena análise à sua poesia e que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é Luís Serguilha:

(...)"Ele expulsa dos seus textos as associações lógicas e a lógica aristotélico-cartesiana, cultivando, como refere Nelson Oliveira, os nexos descabidos e as incongruências sintácticas e semânticas. E. M. de Melo e Castro afirma, ser a poesia de Luís Serguilha um mar de palavras, imagens, metáforas, intermináveis e diferentemente sempre iguais, podendo os poemas começar e terminar em qualquer delas, em qualquer lugar e tempo. É pois, uma escrita que se oculta numa densa floresta de signos e que obriga o leitor perdido a encontrar o caminho dos significados, tendo para isso de seleccionar e combinar as palavras através do seu sentido pessoal, de forma a encontrar um caminho no labirinto. A interminável busca da palavra que tortura e alimenta". - João Rasteiro

..............................Canário-do-mar

O álcool das fábulas faz latejar a inesgotável glande do navio
onde as posses desvairadas das legiões tecem unicamente o regresso agrilhoado das baleias
coleccionadas pelas válvulas mitológicas do horizonte
aqui as redes pequeníssimas das cerejeiras mecânicas expulsam as insustentáveis sombras-alambiques
que ludibriam o fogo inspirador das gôndolas
Furtivamente os pássaros inebriados agasalham-se nas parelhas soníferas dos pomares
onde todos as equivalências das ondas se estilhaçam
como os esquadros sazonados dos pulmões a escorregarem nos projectos assimétricos das crisálidas solares
Os dedais dos astros devastam as armadilhas garatujadas nos figos rudimentares das congeminações
para exaltarem o segredo das raízes assobiadoras entre as lajes estonteantes do alagamento cinematográfico
e as mandíbulas frenéticas respiram o esmo tumefacto da labareda conduzida centralmente
pelas fisionomias aquáticas das guitarras
Os novelos persistentes das águas estreitam a invernia imaculada dos loucos relógios porque a rebentação da claridade dardeja
sossegadamente os favos-bailarinos da memória
O músico está solenemente encurvado na indefinível epopeia
ondulando numa submersão distinta como um ser etéreo na genealogia inquebrantável dum povo
e sobre uma quilha encrespada penteia a sumptuosidade do espaço sonoro com o suor nómada da púrpura melancolia
que alinha a muralha reveladora da consciência aos regaços testamenteiros da essência incendiária
O nenúfar arrebatador do património é a generalização excêntrica dum labirinto cadenciado
é a transferência miraculada das indígenas composições
que enxertam as sequências melódicas dos espectros como se a alma fosse um tigre de esferas lucífugas e doces
Os ecos jazzísticos do cavaleiro nobre oferecem os pórticos constelados das borboletas
entre as crinas preciosas das atmosferas pulmonares
aqui os interstícios desatolados das heranças perseguem os sons rutilantes do sangue
que sucumbem felicíssimos nas invenções químicas da rebelde mestria
é neste berço incomparável de movimentos
que as senhas das gaivotas descortinam a insubordinação da música pura
As baladas da transmutação engolem igneamente as cordas transversais do poema
onde as falésias periféricas do coração missionário balanceiam
sobre os bandos acidentais do Tejo
As guitarras intermitentes das águas lançam os teares luminescentes no tropel inumerável das pulsações
que atravessam as biografias infusas das catedrais
que imaginam o esconderijo convulso das açucenas
na invocação cirúrgica do relâmpago

(...)

Os ourives nocturnos das marés abobadadas os ímans secretos dos astros
e as esporas fulgurantes do guitarrista suturam juntamente
as rotações das silhuetas dos visitantes
Os desaguadouros recíprocos das águias os solitários parágrafos dos mondadores e os antelóquios musicais das maças
aceram a infância heráldica das vinhas
As orações sazonais dos embarcadouros enclausuram as lendas ciclónicas dos navegadores
para dilatarem os delineamentos hesitantes das constelações
Os sinónimos árcticos dos veleiros-parábolas as coincidências dos periscópios das torrentes e os meteoros intemporais do guitarrista soldam demoradamente
a curvatura fértil do outono na fidelidade equestre da tempestade

Os caçadores de espelhos eternos emolduram a arqueologia das locomoções no desassossego da notabilidade nas ânforas póstumas dos aluviões
e na eremitagem rebelde do guitarrista onde o tear mutante do oceano restaura a verdadeira morada dos
amantes.

........................................................................L. S.
.................AMÁLIA (10 anos de saudade) - Com que voz

http://www.intensidez.com/AutorLuisSerguilha.htm

http://www.germinaliteratura.com.br/luis_serguilha.htm

http://palavrastodaspalavras.wordpress.com/2009/04/02/luis-serguilha-por-jairo-pereira/

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

"Rosa, Minha Irmã Rosa"

A escritora Alice Vieira foi nomeada para o prémio Astrid Lindgren Memorial Award (ALMA). Trata-se do mais importante prémio internacional para uma personalidade ou instituição no campo da literatura infanto-juvenil.
Alice Vieira, que nasceu em 1943 em Lisboa, é licenciada em Germânicas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e comemora actualmente 30 anos de carreira literária.
É uma, se não a mais importante escritora portuguesa para jovens, tendo ganho grande projecção nacional e internacional. Em 1994 foi-lhe atribuído o Grande Prémio Gulbenkian pelo conjunto da sua obra. Foi indicada, por duas vezes, como candidata portuguesa ao Prémio Hans Christian Andersen. Já anteriormente tinha sido nomeada para o ALMA.
Recebeu em 1979, o Prémio de Literatura Infantil Ano Internacional da Criança com Rosa, Minha Irmã Rosa, em 1983, com Este Rei que Eu Escolhi, o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura Infantil, e em 1994 o Grande Prémio Gulbenkian, pelo conjunto da sua obra, como já referi.
Os seus livros estão traduzidos e editados nos seguintes idiomas: Alemão. Búlgaro, Basco, Castelhano, Galego, Francês, Húngaro, Neerlandês, Russo e Servo-Croata.
.
De referir que Alice Vieira também é uma excelente poeta. Aqui fica um dos seus poemas, do livro "Dois corpos tombando na água":
.
8.
“havemos de ser outros amanhã
ou daqui a momentos ou já agora
e dificilmente reconheceremos o espaço da alegria
em que noutras horas chegámos a nascer
.
e então meu amor
(não sei se reparaste mas é a primeira vez
que escrevo meu amor)
teremos nos olhos a cor sem cor
das roupas muito usadas
e guardaremos os despojos das noites
em que tudo sem querer nos magoava
nas gavetas daqueles velhos armários
com cheiro a cânfora e a tempo inútil
onde há muitos anos escondemos
um postal da Torre de Belém em tons de azul
e um bilhete para a matiné das seis no São Jorge
onde um homem (que muitos anos depois
segundo me contaram se suicidou)
tocava orgão nos intervalos em que
nos beijávamos às escondidas
.
e dessas gavetas rebenta a poeira do tempo
que matámos a frio dentro de nós
com os filhos que perdemos em camas de ninguém
e as pedras que nasceram no lugar das cinzas
e havemos de perguntar (mesmo sabendo que
já não há ninguém para nos responder)
por que foi que nos largaram no mundo
vestidos de tão frágeis certezas
por que nos abandonaram assim
no rebentar de todas as tempestades
sabendo que o futuro que nos prometiam batia
ao ritmo das horas que já tinham sido
destinadas a outros e nunca
voltariam a tempo de nos salvar
.
mas enquanto vai escorrendo de nós o pó
desses lugares onde ainda há vozes
que não desistiram de perguntar por nós
vamos bebendo a água inicial das nossas línguas
um ao outro devolvendo o pouco
que conseguimos salvar de todos os dilúvios".
................................................Alice Vieira
Pedra Filosofal (António Gedeão) - Manuel Freire

http://www.spautores.pt/PageMembros.aspx?UserCod=0&UserID=822

http://alicevieira.net/bibliografia/bibliografia.htm

domingo, 18 de outubro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - I

Cumprindo o prometido, começo hoje a publicar os poetas que inclui na antologia que organizei para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html). E hoje começo pelo poeta José Tolentino Mendonça, com dois dos poemas seleccionados para a antologia e uma pequena análise à sua poesia, que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje":

(...)"José Tolentino Mendonça aporta uma linguagem pura e cristalina, em que se procura a precisão do vocábulo. Possuidora de uma intertextualidade com os textos clássicos e sagrados, a sua poesia reveste-se de um tom quase eloquente que aporta ao sagrado. Poesia que reflecte um certo neo-romantismo de cariz órfico, através de um registo elíptico e atento aos enigmas e abismos do cosmos, desvendando uma imensa sabedoria sobre o caos do mundo. É uma poesia por vezes profundamente jubilatória". - JOÃO RASTEIRO

.
A INfÂNCIA de HERBERTO HELDER

No princípio era a ilha
embora se diga
o espírito de Deus
abraçava as águas

Nesse tempo
estendia-me na terra
para olhar as estrelas
e não pensava
que esses corpos de fogo
pudessem ser perigosos

Nesse tempo
marcava a latitude das estrelas
ordenando berlindes
sobre a erva

Não sabia que todo o poema
é um tumulto
que pode abalar
a ordem do universo agora
acredito

Eu era quase um anjo
e escrevia relatórios
precisos
acerca do silêncio

Nesse tempo
ainda era possível
encontrar Deus
pelos baldios

Isto foi antes
de aprender a álgebra
.
O SILÊNCIO

Regressamos a uma terra misteriosa
trazemos uma ferida
e o corpo ferido
imprevistamente nos volta
para margens mais remotas

Giorgio Armani tinha declarado
àquele jornal inglês: «o luxo desagrada-me,
é anti-democrático.
Quero agora homenagear os operários de todo o mundo»
Eu só pensava em São João da Cruz
enquanto ouvia pela enésima vez:
«a moda substituiu o luxo
pela elegância»

João da Cruz fala de coroas,
resplendores, casulas
véus de seda, relicários de ouro e
diamantes

para lá do jogo das nossas defesas
qualquer coisa interior
a intensa solidão das tempestades
os campos alagados,
os sítios sem resposta

o teu silêncio, ó Deus, altera por completo os espaços.

..................................................................J. T. M.

AMÁLIA - (10 anos de saudade): Povo que lavas no rio

http://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Tolentino_Mendon%C3%A7a

http://poesiaseprosas.no.sapo.pt/jose_tolentino_mendonca/poetas_josetolentinomendonca01.htm

http://www.assirio.pt/autor.php?i=J&id=1353

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

A terra das ameixas verdes

Este ano o Prémio Nobel da literatura foi atribuido à escritora alemã de origem romena Herta Müller (n. 1953). Müller nasceu em Nitchidorf, na Roménia, tendo começado a publicar em 1982. Em 1987 foi viver para a Alemanha, onde se consagrou como escritora: vinte e dois títulos, sendo o mais recente "Atemschaukel" (2009). Proibida de publicar na Roménia por ter criticado publicamente o regime de Ceausescu, a escritora emigrou em 1987 para a Alemanha com o marido, o poeta Richard Wagner. Desde que, em 1984 foi distinguida com o Prémio Aspekte, Herta Müller tem acumulado galardões em verdadeira catadupa, sobretudo na Alemanha. Em 1995, recebeu o prémio europeu de literatura Aristeion e foi eleita para a Academia Alemã para Língua e Poesia. Em 1998, recebeu o prémio irlandês IMPAC, no ano seguinte o Prémio Franz Kafka. Em 2003, o prémio Joseph Breitbach de literatura alemã, em 2004. Em 2006, o Prémio Würth de literatura europeia. Em Portugal estão publicados "O homem é um grande faisão sobre a terra" (1993, Cotovia) e "A terra das ameixas verdes" (1999, Difel). Além de romancista, Müller é poetisa e ensaísta. A sua obra está associada ao conceito de Weltliteratur. Um poema seu que nos situa e defíne sobre a terra, sobre esta terra de ameixas verdes:

A coisa mais estúpida é

A coisa mais estúpida é que, desde há várias horas, a erva corre à volta do meu novo vestido, e eu encontro-me sentada no banco de betão, uma das cinco, à espera, em frente do salão de cabeleireiro. A primeira é tola, a segunda tem olhos grandes, a terceira é manhosa, a quarta e a quinta sou eu, pois por baixo de mim há uma poça de água na qual eu me vejo, e tenho de fazer caretas porque senão uma das duas, que eu sou, pode não ser capaz de distinguir entre a boina de pêlo na cabeça da outra e o pássaro que se encontra morto na poça da água.
.....................................................Tradução: Luís Costa

sábado, 10 de outubro de 2009

Revista ARQUITRAVE: "A poesia portuguesa hoje"

A revista colombiana Arquitrave acaba de publicar o seu nº 44, uma edição especial inteiramente dedicada a uma antologia de poesia portuguesa intitulada "A poesia portuguesa hoje", que eu organizei a convite do seu director, Harold Alvarado Tenorio.
A antologia que organizei integra os poetas José Tolentino Mendonça, Daniel Faria, Rui Pires Cabral, Luís Quintais, Filipa Leal, Valter Hugo Mãe, José Luís Peixoto, José Rui Teixeira, Catarina Nunes de Almeida e Luís Serguilha. Refira-se ainda o facto de que a revista contém inicialmente um pequeno ensaio onde procurei fazer uma análise da poesia das últimas décadas em Portugal, dividindo-a em dois "campos poéticos" - a poesia a que chamo "do quotidiano ou do real" e a poesia "essencialmente da imagética" - e relacionando com essas duas áreas os poetas contemplados na edição, fazendo também uma pequena apreciação individual à sua poesia.
Destaco ainda o facto de a Arquitrave apenas ter dedicado números especiais à poesia espanhola, peruana, palestiniana e argentina, chegando agora a vez da poesia portuguesa. A revista, porém, já publicou trabalhos de outros poetas portugueses, como Jorge de Sena, Amadeu Baptista, Eugénio de Andrade, José Carlos Ary dos Santos, Nuno Júdice. Eu também tive a oportunidade de publicar em 2005.
A revista é publicada bimensal, tendo publicação simultânea, online e em papel.
Assim, uma vez por semana (10) publicarei aqui 2/3 poemas e um pequeno excerto da análise que fiz a cada poeta.
E como faz agora 10 anos que a nossa diva da música nos deixou, em sua homenagem, colocarei sempre um fado de Amália Rodrigues em cada post relativo à antologia publicada pela revista Arquitrave ( http://www.arquitrave.com/principal.html ).
.
.
Hoje contudo, é dia de festa no Coliseu dos Recreios, com esse fantástico concerto de despedida dos Delfins, isto apesar de Miguel Ângelo definir o concerto como «um espectáculo que, visualmente, se serve de muitas memórias da nossa carreira, mas é uma celebração daquelas canções e daqueles refrões e não uma despedida saudosista ou triste». O facto é que devido a problemas familiares, não poderei estar presente no concerto, para o qual tinha convite do Correio da Manhã (mais uma vez o meu obrigado ao Leonardo Ralha, Editor de Cultura & Multimédia do Correio da Manhã) para o seu camarote e ainda tendo igualmente acesso ao backstage para conhecer os músicos da banda. Como seria um grande momento para mim, fã há muito tempo dos Delfins, só poderei lamentar os percalços que a vida por vezes nos prega e mandar um grande abraço aos Delfins por tudo o que fizeram pela música portuguesa.

http://www.agencialusa.com.br/index.php?iden=27367

sábado, 3 de outubro de 2009

Escrituras



..............Eu, Mário Lúcio Sousa, Carlos F. Moisés e Ricardo Aleixo

O cabo-verdiano Mário Lúcio Sousa, poeta, ficcionista, pintor e músico, foi o vencedor da II Edição do Prémio Literário Carlos de Oliveira, concurso promovido pela Câmara Municipal de Cantanhede e ainda pela Fundação Carlos de Oliveira, com a obra que se intitula O Novíssimo Testamento.
O júri justificou a atribuição do prémio, uma vez que “a obra se distingue de todas as outras apresentadas a concurso”, assinalando ainda “a grande originalidade da abordagem que faz ao religioso (…), o que evidencia um vasto conhecimento sobre o tema”, sublinhando ainda “a notável capacidade de escrita que se encontra bem patente na riqueza e vastidão do léxico utilizado”.
Na fundamentação apresentada à atribuição do prémio a O Novíssimo Testamento foi ainda aludida “uma efabulação poderosa, rica em imaginação e temperada por acentos de humor, que recorre muitas vezes à ironia e ao picaresco”. Segundo a perspectiva do júri, Mário Lúcio Sousa retoma em O Novíssimo Testamento as Escrituras Sagradas, “reinventa-as por meio do recurso a um contrafactual herdado da teologia medieval, colocando a hipótese de Jesus ter sido mulher e explorando as vastas implicações e consequências dessa hipótese”.
O valor do Prémio Literário Carlos de Oliveira é de 5.000 euros, verba totalmente suportada pelo Município de Cantanhede, ficando também assegurada a publicação da obra pela autarquia. Obra, que desde já proporciona alguma expectativa, especialmente a mim, que essencialmente conhecia o Mário Lúcio de Sousa da poesia (estive com ele em Maio de 2004 em Coimbra, em excelentes convívios, durante os "V Encontro Internacional de Poetas"), apesar de já ter publicado romances e teatro, da pintura e naturalmente da música, especialmente com o seu grupo Simentera.
Não esquecer que devido à sua actividade e importância para e pela cultura, Mário Lúcio Sousa foi condecorado pelo Presidente da República de Cabo Verde em 2006 com a Ordem do Vulcão, ao lado de Cesária Évora, tendo sido o artista mais novo a receber tal distinção.
Da antologia Poesia do Mundo 5 alguns extractos:
.
Poemas de Ilustração
.
1
Cabo
Verde se chamou-
-não tem nome de fruta
mas o estado dela enverga.
.
2
Queiram ou não
Têm de acenar umas às outras
As ilhas, pois,
Fingem que zarpam sempre.
.
6
As frutas que neste chão não caem
À lua vão beber
Certamente.
.
10
Não me falem de grandeza, não
Nem de infinito, nem de mim
Eu, homem e pretensa imensidão
Frente ao eco que a voz me devolve.
.
12
Se ao subirem
o vento, as pedras, as nuvens e o som caíssem
as ilhas teriam montes a
seus pés.
.
27
Têm um fundo falso
Os vulcões
Onde os deuses confabulam as gestações.
.
28
O mar tudo à terra devolve
Até mesmo as ilhas.
.................Mário Lúcio Sousa