sábado, 4 de dezembro de 2010

A FLORESCÊNCIA dos LIVROS

Por vezes os acontecimentos, quase que ultrapassam todas as nossas expectativas ou projectos. Vem isto a propósito, da edição de 3 livros meus no espaço de alguns meses. Prestes a sair da tipografia e com lançamento previsto para Janeiro (chegou a estar previsto o seu lançamento em Dezembro), o livro DIACRÍTICO, publicado pela Editora Labirinto, com prefácio do poeta Albano Martins.
Já no próximo dia 21 de Março, Dia Mundial da Poesia, na Guarda, mais concretamente, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, o livro A DIVINA PESTILÊNCIA, publicado pela editora Assírio & Alvim, e resultante da atribuição do Prémio Literário Manuel António Pina, verá a luz do dia (em Abril e Maio, 2 ou 3 lançamentos deverão acontecer).
Para culminar esta torrente (e não prevista) de livros lançados para o reduzido, mas complexo, espaço da poesia portuguesa, no segundo semestre de 2011, o livro O TRÍPTICO da SÚPLICA, deverá ser publicado (neste momento e após a assinatura do contrato de edição, já só falta a validação da DGLB - Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas) pela Escrituras Editora, de São Paulo, que já há algum tempo, na sua colecção "Ponte Velha", vem publicando autores portugueses (só para citar alguns, Rosa Alice Branco, Ana Hatherly, António Ramos Rosa, Armando Silva Carvalho, Pedro Tamen, Luisa Neto Jorge, Fernando Aguiar, etc. De referir a última publicação, "a Obra ao Rubro" da minha amiga Maria Estela Guedes, sobre Herberto Helder
Assim, e como já referi, os próximos meses, por "brincadeiras" do destino, serão de alguma forma intensos, mas, naturalmente, bastante motivadores e reconfortantes, pois, independentemente (e isso é quase sempre relativo - e daria uma grande "conversa") da qualidade, pouca qualidade ou nenhuma qualidade, há imensa gente, na poesia, ficção, ensaio, etc, que passa, por gosto e/ou dedicação, por vezes uma vida, a escrever, sem qualquer reconhecimento ou hipótese de publicar um único livro.
Em homenagem a esse imenso número de vozes "silenciosas", o poema "Traduzir-se" de Ferreira Gullar (o merecidíssimo Prémio Camões 2010):
.
Traduzir-se

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo. 

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão. 

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira. 

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta. 

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente. 

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem. 

Traduzir uma parte
na outra parte
— que é uma questão
de vida ou morte —
será arte?
...........................De Na Vertigem do Dia 
.

6 comentários:

Giovani Almeida disse...

Passando pelos blogs, acabei encontrando o seu e achei interessante. Você poderia dar uma olhada no meu e deixar um comentário dizendo o que achou.

almeidagiovani.blogspot.com

Sem lenço e sem documento disse...

O meu caso é o mesmo da pessoa acima. Passeando pelo blogs procurando textos, inspirações, palavras, alento, respostas encontrei o teu. Queria parabenizar pelas publicações, fico feliz que novos autores estejam surgindo pois acredito que existe muito talento que ainda não chegou a luz merecida. Escrevo algumas coisas também mas estou longe de ser autora, escrevo mais como desabafo de uma vida cheia de momentos. Novamente parabéns.

João Rasteiro disse...

Caros amigos, já passei pelos vossos blogs, um deles, entretanto, até já alterado e modificado. Embora diferentes, voltarei a passar, com mais tempo, por eles.
No caso do blog do Giovani, é uma ideia interessante, principalmente se conseguirem a interacção com outras pessoas (com blogs, ou sem eles), quem sabe se não darei umas dicas para serem analisadas/retratadas aí.
Um grande abraço de Coimbra,

joão

Maria João disse...

Publicar três livros, num tão curto espaço de tempo, exige muita persistência e paixão pelo que se faz. Nesta "apagada e vil tristeza" que se apoderou do país, faz muita falta esse brilho no escuro. E é uma grande "desforra", para quem conhece, como tu, a "absoluta tragédia da escrita"... PARABÉNS, João!
Que essa tua parte que "se espanta" frutifique, cada vez mais, ainda que a Beleza nos golpeie, por vezes. Dos bons Poetas, não se espera outra coisa.
Parabéns também por perseguires aquela marca que distingue um poeta de todos os outros.

Um grande abraço
Maria João Oliveira

João Rasteiro disse...

Maria João, eu poderia dizer muita coisa, tecer sobre a poesia e o acto poético muitas considerações...MAS, por agira basta-me agradecer a tua amizade.
Bjs. e um grande abraço ao Carlos.

joão

p.s. - depois aviso-te sobre o lançamento deste livro - em Janeiro.

j.r.

Shirley disse...

Jõão, passei por aqui para ver o seu blog, mas, voltarei outro dia para ver as coisas interessantes que ele contém. Abraço! (Brasil)