domingo, 6 de fevereiro de 2011

ROTAS

Pedro Prata -  "Evaporation"




«A poesia é, finita e interminável, um diálogo precário e resistente. Ora cada um de nós é um diálogo. Por isso a poesia nos convém — ela é, esquivo e incerto, um diálogo que resiste por um dia mais, uma promessa sem garantias, pela qual nos transformamos naquilo que somos. […]»

Manuel Gusmão Tatuagem & Palimpsesto, Assírio & Alvim
.
«Em poesia, o equilíbrio acontece sempre em tensão com o desequilíbrio, devendo mesmo incorporá-lo, num jogo partilhado. E talvez a preocupação com o equilíbrio advenha de uma das particularidades da poesia, como arte: o facto de ela utilizar como matéria de criação, não uma linguagem específica, mas a linguagem comum, a mesma que utilizamos no dia-a-dia. Há toda uma tradição de reflexão poética que considera essa linguagem de partida profundamente arbitrária, insuficiente e, nessa medida, desequilibrada, atribuindo à poesia o papel de recuperar um equilíbrio primordial, tido como perdido. Esse desejo de equilíbrio pode ser observado tanto no plano da relação entre som e sentido quanto no da relação entre a palavra e o mundo.»

Rosa Maria Martelo A Forma Informe, Assírio & Alvim
.

2 comentários:

gabriela r martins disse...

num registo memorável

-deixo-



.
um beijo
( lamento que o tempo ,de quando em vez ,me obrigue a ser tão breve... )

João Rasteiro disse...

Bj. amigo/amiga,

joão