quarta-feira, 27 de maio de 2009

Lugares III

...........................................VAN GOGH
Mil luas passaram, mil sóis procriaram, mil amantes se imaginaram, mil jogos inocentes se perpetuaram, mil desejos se refrearam, mil vozes se escutaram e agora as tuas memórias cíclicas, talvez sonhadas ou inventadas, não conseguem suportar o peso do mundo, o simples peso de uma aldeia que respira abruptamente em metamorfoses, enquanto a terra se afasta e o temporal inunda de seiva a selvagem ternura dos animais cosidos ao corpo da terra. Uma arquitectura de lugar, um espaço originário dos plantadores de amieiros. O céu é um pássaro descomunal envolto em chamas sobre as vozes dos mortos, sobre os livros onde se aprisiona a formosura das palavras, como se fosse possível guardar a transparência do júbilo.
Desde as remotas tardes das chuvas que não consigo enumerar os desejos, que exercem com tão grande rigor o domínio das suas formas.
...............................................................João Rasteiro
In, O Búzio de Istambul - Palimage, 2008

1 comentário:

gabriela rocha martins disse...

quanto mais te (re)leio mais te (des)conheço ... as palavras subtis ... os múltiplos refúgios de ti



.
um beijo ,com sabor a sul