domingo, 1 de novembro de 2009

"A Poesia Portuguesa Hoje" - III

Prosseguindo com a publicação dos poetas, pela ordem de inclusão na revista, que inclui na antologia de poesia portuguesa que organizei para a revista Colombiana ARQUITRAVE (http://www.arquitrave.com/principal.html), hoje o poeta referenciado, com dois poemas seleccionados para a antologia, juntamente com a respectiva análise critica à sua poesia, que integra o ensaio de introdução da antologia "A Poesia Portuguesa Hoje", é Rui Pires Cabral:
" (...)as coordenadas da sua poética estão metodicamente traçadas. A memória dos lugares, das vozes, das situações, por vezes um certo desassossego existencial, o exercício da poesia como um treino de morrer e de se estar morto, dando-se à poesia, tal como Sócrates se dedicava à filosofia. Não sendo uma poesia propriamente reflexiva, em Rui Pires Cabral, ela é mais uma poesia do presente inquirido pelo vivido, mas suportado por um pendor melancólico que se suspende antes do abismo e que vive de uma tensão entre a elipse do que se rasura pensadamente, as sensações e a mestria da mão contendo o acúmulo do lirismo." - João Rasteiro
.
MARLBOROUGH DRIVE

Se pudermos estar felizes não será mais bela
a voz do trompetista de Oklahoma? Oh, there’s
a lull in my life. Sim, o amor é triste e o mundo
é árduo e nunca nos serviu como convinha. Mas
nas cercanias da vila, no Volkswagen em segunda
mão, vê como resplandecem os vidros de Marlborough
Drive ao entardecer! Uma ambição sentimental

à nossa pequena escala, prados entre castanheiros,
duas onças de tabaco de enrolar. Que importa
que tudo rode para um fim e que a nossa verdadeira
condição seja morrer um pouco mais a cada instante?
A pele reconhece estas canções, sabe que é Junho,
conhece a estrada que devemos escolher. A pele
é sábia. Por uma vez, que valha a pena morrer.


SENHORES PASSAGEIROS

Alguns rapazes avançam mais depressa
para a morte, mas todos se debatem
com a vida que lhes resta. Às voltas
no cimento das cidades, entre
a estrangulada circulação dos veículos,
segredam ao ouvido de um deus
surdo: concede-me um novo amor
igual ao dos meus irmãos. Entretanto
são mais as raparigas que não lêem livros
no venenoso relento das estações
ferroviárias, chupam rebuçados
de menta com fel, suavemente inclinam
a cabeça para ouvir: senhores passageiros
vai dar início à sua marcha o comboio
com destino a Santa Apolónia da escuridão
.
.....................................................R.P.C.
................AMÁLIA (10 anos de saudade) - Barco Negro

1 comentário:

gabriela rocha martins disse...

assim se (des)tecem as teias da POESIA



.
um beijo