domingo, 5 de setembro de 2010

RAÍZES de MAR

O poeta brasileiro Álvaro Alves de Faria, ou melhor dizendo, "brasileiroportuguês", que ainda muito recentemente lançou em São Paulo, o livro  "Alma Gentil Raízes", onde reúne todos os seus livros de poesia editados em Portugal, apresentará no próximo dia 09 de Setembro pelas 18h30, no TAGV - Teatro Académico de Gil Vicente em Coimbra, os livros “Este gosto de sal – Mar português”, poesia, e “Cartas de Abril para Júlia”, novela. A apresentação será feita pela Dra. Graça Capinha e contará ainda com a presença da Oficina de Poesia da FLUC.
Estas obras serão apresentadas também em Lisboa no dia 11 de Setembro, no Auditório do Campo Grande.
Álvaro Alves de Faria, mantém há bastantes anos uma persistente busca de suas raízes portuguesas (é descendente de pais portugueses e possui bastante família no norte de Portugal), como ele afirmou recentemente, "Saio (para Portugal) mais uma vez busca de mim". É essa persistente busca de si, que impregnou de forma avassaladora Álvaro Alves de Faria de uma afinidade a Portugal (e de certa forma, de forma muito especial a Coimbra) de uma sensibilidade que só uma "alma gentil" portuguesa poderia conter. Por isso é hoje apelidado de ser o "mais português dos poetas brasileiros".
Álvaro Alves de Faria é detentor de uma obra já bastante importante, que passa essencialmente pela poesia, mas também pelo romance, novela, teatro, ensaios, crítica literária, jornalismo cultural, etc, possuindo um considerável número de prémios, entre eles dois Prémios Jabuti, Prémio Anchieta (teatro), três vezes o Prémio Especial da Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA, etc.
Toda esta busca, todo este gosto de sal de mar português, fez com que em Junho deste ano tenha sido homenageado pelo Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo, cerimónia que integrou as comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.
Assim, não só pelo autor e especialmente pela obra, mas sobretudo pelo homem, pela sua sensibilidade e carácter perante as injustiças do mundo, a ida nos dias 9 e 11, respectivamente ao TAGV, Coimbra e Auditório do Campo Grande, Lisboa, será um momento deveras enriquecedor - não só para os presentes, mas também para o próprio Álvaro.
Um pequeno poema de um seu livro "português", de 2006.

5.


Sempre que me vejo ao final das tardes
saltam-me da boca aves feridas
como se fosse assim me conduzir ausente
entre aldeias longínquas
por dentro de igrejas
em pequenas ruas de pedra.
.
Assalta-me o que de mim foi esquecido
como se assim me fosse possível
encontrar o que de mim
está definitivamente perdido.
Á. A. de F. - “A memória do pai”. Coimbra, 2006
.
E em abraço de amizade enviado aqui de Coimbra ao Álvaro, esta música ("Flor de Verde Pinho" - letra de Manuel Alegre, música de José Niza e a voz extraordinária de Carlos do Carmo) que sei que o vai emocionar bastante, como sempre aconteçe.
.

.
http://www.alvaroalves.moonfruit.com/#

http://blogs.jovempan.uol.com.br/poeta/

http://www.revista.agulha.nom.br/aalves.html

5 comentários:

bonecadetrapos disse...

Porque as águas não sabem de fronteiras e o mar é uno A poesia um compromisso _________Viagem in.sondável
na sonda dos sentidos

Ao poeta e a si, João Rasteiro, que divulga, acrescentando, nas suas palavras sempre de cortesia, de saber, de educação,

ficam

Saudações poéticas
com estima e consideração
*__bonecadetrapos__*

João Rasteiro disse...

É sempre um privilégio receber a boneca de trapos neste espaço, pois as suas palavras reconfortam bastante este nosso caminho, não só solitário, mas quase sempre silencioso.Obrigado.
Bjs.

joão

gabriela r martins disse...

regressada ,meu irmão ,do tempo de "jibóiar" ,quedo.me ,gostosa mente ,nas leitura que ousas


deliciosa
mente




.
um beijo
( ainda a saber a sal )

João Rasteiro disse...

Após quase dois meses de férias (eh, eh, eh), eis que a menina do sul, Gabriela de seu nome, toda bronzeada, qual moura encantada, ou alguém pertencendo ao séquito feminino de Al-Mu´tamid, surge por fim por este espaço, brilhando no esplendor do sol dos Algarves. Seja bem aparecida então, porque já arrefecia (no meio deste calor)a boca do coração!
Bj. amigo/amiga,

joão

Anónimo disse...

Muito belo, tudo: o poeta Faria, nome maior lá da rua dele; a suspeita do costume; e a pandilha de sempre. Para rematar o belo da coisa só mesmo a Gabriela e o tanto amor que tem para dar.