sexta-feira, 13 de junho de 2008

FERNANDO PESSOA - O Poeta é um fingidor...

Assinalam-se hoje os 120 anos do nascimento de Fernando Pessoa. É considerado um dos maiores poetas de língua portuguesa, e o seu valor é comparado ao de Camões. O crítico literário Harold Bloom considerou-o no seu livro The Western Canon ("O Cânone Ocidental"), ao lado de Pablo Neruda, o mais representativo poeta do século XX.
Pessoa, foi o primeiro português a figurar na Plêiade (Collection Bibliotèque de la Pléiade), prestigiada colecção francesa de grandes nomes da literatura.Sobre os poetas em geral, Octavio Paz (poeta mexicano), Prémio Nobel da Literatura diz que “os poetas não têm biografia. Sua obra é sua biografia”; sobre Fernando Pessoa em particular, acrescenta “nada em sua vida é surpreendente — nada, excepto os seus poemas”.
Toda a vida do poeta foi dedicada quase exclusivamente a criar e a criar essencialmente vidas outras através de seus heterônimos, o que foi a principal característica da sua escrita e da sua poesia. foi essa criação em suas múltiplas formas que motiva e desperta o interesse por Pessoa. Alguns críticos questionam mesmo se Pessoa realmente teria alguma vez transparecido o seu verdadeiro eu, ou se tudo não teria passado de mais um produto da sua vasta e extraordinária criação.
Como curiosidade, numa tarde em que José Régio tinha combinado encontrar-se com Pessoa, este apareceu, como de costume, com algumas horas de atraso, declarando ser Álvaro de Campos, pedindo perdão por Pessoa não ter podido aparecer ao encontro.

Deus
Às vezes sou o Deus que trago em mim
E então eu sou o Deus e o crente e a prece
E a imagem de marfim
Em que esse deus se esquece.
.
Às vezes não sou mais do que um ateu
Desse deus meu que eu sou quando me exalto.
Olho em mim todo um céu
E é um mero oco céu alto.
Fernando Pessoa
Se Depois de Eu Morrer
Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples
Tem só duas datas - a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra cousa todos os dias são meus.
.
Sou fácil de definir.
Vi como um danado.
Amei as cousas sem sentimentalidade nenhuma.
Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
Compreendi que as cousas são reais e todas diferentes umas das outras;
Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
Compreender isto corri o pensamento seria achá-las todas iguais.
.
Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.
Além disso, fui o único poeta da Natureza.
Alberto Caeiro .

Mar Português - Fernando Pessoa

http://www.revista.agulha.nom.br/pessoa.html

http://pessoa.mdaedalus.com/index.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Pessoa

P.S. - LANÇAMENTO: solicita-se a visualização do seguinte link:

http://www.euxz.blogspot.com/

2 comentários:

Benó disse...

Como mulher portuguesa sinto-me honrada por ser conterrânea de grandes poetas como Pessoa.Agradeço a justa homenagem que lhe é prestada neste cantinho.
É necessário trazer à lembrança de todos nós as gentes que nos engrandecem.
Ben Haja!

Rasteiro disse...

Seja bem aparecida Benó. É sempre um prazer receber neste blogue, artistas de tamanha sensibilidade.Este blogue ficou mais cheio e pintado das cores dos jardins, das cores do arco-íris.
Beijinho para os Algarves.
joão