quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Distâncias

A geometria do silêncio

Respiro e escrevo silêncio
no acto de escrever e silêncio
até à distância extrema
e na língua o silêncio ferve
a grande terra da garganta branca
lâmina e dedos quase míticos
a líquida frescura dos golfos
onde se renovam os silêncios
sob a cúpula acolhedora do sangue
o excesso do corpo dos mortos
o silêncio que se deixa respirar.
João Rasteiro
.................................Buena Vista Social Club

4 comentários:

gabriela rocha martins disse...

o
silêncio
é
a
voz
que
melhor
se
ouve


retiro
.
me
em
silêncio



.
um beijo

gabriela rocha martins disse...

se
eu
pudesse
vertir
as
tuas
palavras
fazia
.
lo
de
ténues
véus
de
poesia
como
não
posso
deixo
.
te



.
um beijo

gabriela rocha martins disse...

vestir
e
não
vertir

( desculpa a dislexia )

porfirio disse...

.
.

se um dia tiver uma ilha só minha
chamar-lhe-ei
|
«a grande terra da garganta branca»

abraço