quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Lugares











Iniciação

A cidade dobrou-se para o rio
e o seu útero irrompeu
sobre as águas
rosa a rosa
apoiada por bilhas vivas
auríferas
sopro a sopro
prenhes.

Soube-se então que renascia violenta
entre mandíbulas alagadiças
como a inflexibilidade
da borboleta
acerba.

Em agonia precipitaram-se sobre as casas
e coseram-se com a cal
pelo coração irreconhecível da pedra.

Era uma cidade como um sismo
ininterrupto
atada às víboras do milagre
extremo
incandescente e granítico.

A cidade meteu-se toda para dentro
o sexo descoberto
transformada em réptil de hálito branco.

João Rasteiro
2008

P.S. - link anexado em 23/2/08.

http://br.youtube.com/watch?v=o-jLVq2eZBk&feature=related

5 comentários:

Márcio-André disse...

Lindo poema! linda cidade! abraços

Anónimo disse...

Munta lindo, munta lindo

Em agonia precipitaram-se sobre as CASAS
e coseram-se com a CAL
pelo CORAÇÃO irreconhecível da PEDRA.
Original?
Trabalhe mais.

Rasteiro disse...

Trabalharei, trabalharei...sem qualquer dúvida ou convencimento.

Anónimo disse...

Esse anónimo é um ridículo

Anónimo disse...

ri,cu,di
di ano,ano,di,lo,ló
ló,ri,
ridi
locu
locu
culo
culo
cú,cú
ri,cú,
anonicú
lonimo
có,
có. ri