quarta-feira, 10 de setembro de 2008

"Resmungos"

Ferreira Gullar, pseudónimo de José Ribamar Ferreira (São Luís, MA, 10 de Setembro de 1930) é um poeta, crítico de arte, biógrafo, memorialista e ensaísta brasileiro.
Os mortos

os mortos vêem o mundo
pelos olhos dos vivos

eventualmente ouvem,
com nossos ouvidos,
certas sinfonias
algum bater de portas,
ventanias

Ausentes
de corpo e alma
misturam o seu ao nosso riso
se de fato
quando vivos
acharam a mesma graça

.

Arte poética

Não quero morrer não quero
apodrecer no poema
que o cadáver de minhas tardes
não venha feder em tua manhã feliz

e o lume
que tua boca acenda acaso das palavras
- ainda que nascido da morte -

some-se aos outros fogos do dia
aos barulhos da casa e da avenida
no presente veloz

Nada que se pareça
a pássaro empalhado, múmia
de flor
dentro do livro

e o que da noite volte
volte em chamas

ou em chaga

vertiginosamente como o jasmim
que num lampejo só

ilumina a cidade inteira

Adriana Calcanhoto - "Traduzir-se" (F. Gullar)

http://portalliteral.terra.com.br/ferreira_gullar/index.htm

http://www.releituras.com/fgullar_bio.asp

http://www.jornaldepoesia.jor.br/gula.html

1 comentário:

gabriela rocha martins disse...

como eu te gosto
meu amigo

de ler
ouvir

e re começar
de novo
a brincadeira dos verbos

ler
ouvir


deixar



.
um beijo