quarta-feira, 22 de abril de 2009

A liberdade da sílaba

Olvido


calaram a tua boca

mas certamente
esqueceram uma pequena sílaba
somente semente
em algum canto

nos recantos de um país
de mim
uma flor livre
sob a terra obsessiva e sagrada
do jardim.

*

calaram a tua voz

mas certamente
esqueceram o odor fresco
semente somente
das rosas e do jasmim.

........................Manuel de Cenáculo

7 comentários:

vaandando disse...

... fiquei contente pá!


.... momento único para mim!

abraço fraterno

_______ Zé Marto
Ps- vou ouvir o resto

bonecadetrapos disse...

"pá"... há tanto tempo não lia esta expressão...

excelente homenagem: liberdade de ser livre!

Saudações. Abril sempre!
*___bonecadetrapos__*

gabriela rocha martins disse...

façamos
da
palavra
arma

que
nada
mais
nos
resta


num
outro
ante
25
de
Abril


.
um beijo ,Amigo

gabriela rocha martins disse...

ah!
esqueci.me de assinar

,PÁ

:((((((((

João Rasteiro disse...

É porreiro a liberdade pá!
E então ter amigos. pá?
Sempre ao dispor pá(s)!

joão

Marco Sistinne disse...

Olá João Rasteiro, parabéns pelo blog, voltarei
aqui com mais calma para revê-lo.

abraços literários
Marco Sistinne
Bula Literal

João Rasteiro disse...

Marco, será sempre um prazer a sua visita a esta minha/vossa modesta "casa".
E gosto sempre de "conhecer" alguém que tem um tão grande amor aos livros.
Um gramde abraço de Portugal,

João Rasteiro